08 de março, 2012 - Belém

Paysandu e seus nove xarás


 

Paysandu e seus nove xarás


Revista bicolor Campeão dos Campeões apresenta, na mais recente edição, os nove xarás do Paysandu. São seis no Brasil e três no Uruguai, todos com variações nas cores ou na grafia. No Brasil, o mais antigo é o Paissandu do Rio (azul, branco e amarelo), formado por estudantes ingleses, campeão carioca de 1912. Ainda existe, mas apenas nos esportes amadores. Santa Catarina tem o Paissandu de Palhoça (preto e branco), que só disputa campeonato municipal, e o Paysandu de Brusque (verde e branco – tenho uma camisa oficial desse clube), que já foi campeão catarinense da 1ª divisão, em 1956, e da 2ª divisão, em 1986.


No Piauí, Paysandu de Parnaíba (vermelho e branco), vice estadual de 1993. Muito antes, Yarlei jogou nesse clube no começo da carreira. Em São Paulo, um Paysandu (preto e branco), do qual há mínimas informações. No Maranhão, um Papão amador, da cidade de Pinheiros (alviceleste), com escudo no mesmo padrão, mas com as letras SCP, de Sport Club Paysandu.


No Uruguai, na cidade de Paysandu, o Paysandu Bella Vista (preto, branco e amarelo) conquistou acesso à 1ª divisão nacional em 2005, mas foi suspenso por dívida. Quanta semelhança, hein! O Paysandu Futbol Club (azul, vermelho e branco), fundado em 2003, disputou a 1ª divisão uruguaia de 2005/2006, mas foi rebaixado de volta à 2ª divisão.


E o Paysandu Wanderers (azul e branco) é clube amador da cidade de Paysandu. O Paysandu paraense ganhou esse nome (1914) em homenagem à Marinha Brasileira por vitória na batalha de Paysandu (Uruguai) na Guerra do Paraguai. Por isso as cores da seleção uruguaia. Hoje é o mais importante dos 10 clubes que têm esse nome.


Mulheres do futebol


No dia da mulher, a coluna recorre a dados estatísticos que mostram o que elas representam para o mercado do futebol brasileiro. Já são 30% da clientela nas lojas dos clubes e 22% do público nos estádios. Pesquisa recente, explorada esta semana numa série de reportagens do 'Bom Dia Brasil' (Rede Globo), mostra que 46% das mulheres brasileiras se interessam por futebol.


No Internacional/RS, elas são 23 mil entre os 103 mil sócios torcedores (22%). E esses números crescem a cada ano. Basta observar nos estádios para confirmar que o avanço do público feminino segue a mesma proporção no Pará. No entanto, ao contrário dos grandes clubes do país, os paraenses insistem em ignorar essa nova clientela, nos produtos e principalmente nos serviços. Neste dia de homenagens às mulheres, a coluna faz esse alerta em nome delas.


São Francisco e Cametá tratam de CT 


Enquanto Remo e Paysandu não movem uma palha para terem Centro de Treinamentos, no interior, clubes dão largos passos na conquista do CT. O Castanhal já tem seu complexo, dentro da cidade, com campos, alojamento, refeitório, etc. O Cametá está iniciando a obra numa área a dois quilômetros da cidade, pretendendo utilizá-lo a partir de 2013. O São Francisco é mais ousado. Começa a construir um Centro de Treinamentos e Lazer, não só para as atividades do futebol como também para o lazer dos associados, à margem da estrada de Alter do Chão.


O Leão santareno já tem 270 sócios torcedores e cresce passo a passo, na infraestrutura e no futebol, cumprindo um projeto conduzido desde o início pelo presidente Ed Ribeiro, com quem conversei ontem. Estrutura mais avançada tem o Santa Cruz de Cuiarana, em Salinas. Estádio (em construção – projeto para 16 mil lugares), academia de musculação, apartamentos, refeitório, departamento médico/odontológico, sauna, piscinas, entre outras dependências. E um elenco em atividade, que tem Paulo Wanzeller, Mael e companhia, além de comissão técnica completa, comandada por Mário Henrique, em plenos treinamentos visando a 2ª divisão e o acesso.


Parazão 2013 com 24 a 27 clubes


Nos três módulos (2ª divisão, Preliminar e Principal), o Campeonato Paraense de 2013 deverá envolver de 24 a 27 clubes, com direito a dois estreantes interioranos: Santa Cruz de Cuiarana/Salinas e o Paragominas Futebol Clube, que vão disputar já este ano a 'segundinha' (agosto a outubro) com Santa Rosa, Vila Rica, Tiradentes, Pedreira, Time Negra e Gavião Kyikatejê.


Também têm direito o Vênus, o Pinheirense e o Redenção, que não disputaram a última competição. Na preliminar da 1ª divisão, (novembro e dezembro), já estão Castanhal, Ananindeua, Sport Belém, Vila Rica, Abaeté, Bragantino, Izabelense e Parauapebas, além dos dois últimos colocados da atual fase, que tem Paysandu, Remo, Independente, Tuna, Cametá, São Raimundo, São Francisco e Águia.

 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!