24 de agosto, 2011 - Belém

Mais uma marca de Ganso: Primeiro paraense pela seleção em Belém


 

Ganso, primeiro paraense pela Seleção em Belém         


Um privilégio para Paulo Henrique Ganso sobre todos os outros paraenses que também chegaram à Seleção Brasileira. Será o primeiro “papa açaí” a jogar em Belém com a camisa amarelinha, dia 28 de setembro, contra a Argentina. O craque santista e seus familiares estão contando os dias (faltam 36) para a emoção especial.            


De acordo com a Enciclopédia do Futebol Paraense, do pesquisador Ferreira da Costa, Paulo Henrique Ganso é o 14º jogador paraense convocado para a Seleção Brasileira. Os demais foram: Mimi Sodré em 1916, Pamplona em 1925, Santana em 1930, Vevé em 1945, Otávio em 1949, Quarentinha Lebrego em 1960/1961, Manoel Maria em 1968, Rosemiro (seleção olímpica) em 1975/1976, Sócrates de 1982 a 1986, Paulo Victor de 1984 a 1987, Charles Guerreiro de 1976 a 1979, Giovanni de 1995 a 1999. Goleiro Alexandre Favaro, do Paysandu, natural de Monte Dourado, distrito de Almerim, é mais um  paraense com passagem pela Seleção Brasileira. Em 1999 foi convocado por Vanderley Luxemburgo para a seleção pré-olímpica, na preparação para os Jogos de Sidnei e Melbourne.         


Dois casos à parte. Em 1921, Suíço, lateral do Paysandu, foi convocado, mas nem chegou a se apresentar à Seleção. Na década de 90, Beto, fruto do Paysandu, revelado pelo Paysandu, jogou na seleção sub 20. Na volta ao futebol paraense atuou pelo Castanhal e pelo Águia.                              

 


Papão tomou um gol por jogo        


Quando Roberto Fernandes assumiu o comando do Papão no campeonato estadual, o time tomava uma média de dois gols por jogo. A média foi mantida nos dois jogos contra o Independente, na decisão do campeonato. E esse foi o argumento do técnico bicolor para descartar os volantes Vânderson, Álisson, Billy e os zagueiros Herbert e Ary, além do lateral Zeziel. A julgar por esse princípio, como se explica a permanência do zagueiro Diguinho, rei do chinelinho da temporada? Do antigo sistema defensivo só restou Sidny. Mas o efeito prático da ampla reforma não agrada, apesar de a média de gols sofridos ter caído de dois para um gol por jogo. Foram cinco gols tomados em cinco jogos na Série C, até agora.        


O Papão continua vulnerável por não ter a participação efetiva dos meias e atacantes na marcação. Assim, volantes e zagueiros jogam sobrecarregados. Como Josiel e Luciano Henrique não marcam ninguém, Rafael Oliveira e principalmente Robinho são forçados a correr loucamente. Nada, porém, que funcione efetivamente como primeira marcação.                           

 


Papão fez investida em Jóbson       


Dispensado pelo Bahia, por indisciplina, o atacante Jóbson, paraense de Conceição do Araguaia, recebeu ontem uma sondagem do Paysandu para vestir a camisa alviceleste na Série B. A sondagem foi feita através do empresário Emerson Dias. Jóbson agradeceu, não descartou totalmente, mas disse que está dando preferência a clubes da Série B.        


Jóbson fez seis gols pelo Bahia. Como esgotou a cota mínima de seis jogos na Série A, só pode se transferir para clube de outra Série. É reconhecido como um dos melhores atacantes da atualidade no futebol brasileiro, mas é também o mais problemático, a ponto de o Bahia preferir perdê-lo em nome do ambiente dos demais jogadores e comissão técnica.       


Outra investida do Papão é no volante Daniel, ex-Águia, agora vinculado ao Barueri/SP. Daniel interessa também ao clube de Marabá, onde brilhou em 2010, mas está “engatilhado” pelo clube bicolor.                                           

 


Lúcio Santarém, a volta do campeão           


O São Raimundo desceu do salto aos poucos, até encontrar a solução que tinha em casa. Depois do delírio e dos estragos com Sebastião Rocha, da recuperação com Charles Guerreiro, dos novos estragos por desorganização administrativa e perda de “milagreiro”, da cartada de emergência com Flávio Goiano, finalmente o clube santareno redescobre dentro de casa o treinador que o levou ao título nacional da Série D, em 2009. Lúcio Santarém está de volta ao comando do São Raimundo, já estreando em Teresina contra o Comercial, domingo. Batata quente!         


A classificação até que não está tão difícil. Em igualdade com o Independente (5 pontos), o São Raimundo está a dois pontos de Trem e Comercial (7 pontos) e quatro do Sampaio Corrêa (9 pontos). Mas o próximo passo é mais animador para o Independente, que vai jogar em casa no sábado, contra o Sampaio. Todos vivos nesse grupo.

 

 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!