19 de agosto, 2011 - Belém

O casamento que deu certo na Toca do Leão


 

Diego Barros e Remo, casamento em plenitude      


O inferno astral do Remo acentuou-se na trágica campanha de 2007 na Série B. Foi quando o paulista Diego Barros entrou na vida do clube para um sofrido casamento que já envolveu lágrimas, briga judicial, rompimento, reatamento e momentos de glória também. Tanto que foi Diego Barros quem levantou o último troféu de campeão do Leão, em 2008, como também esteve presente nos rebaixamentos à 3ª divisão e à posição de aspirante 4ª divisão nacional.     


Além dos sabores e dissabores que experimentou no Remo, Diego Barros recebeu outras fortes emoções na vida pessoal, através do futebol, nos últimos cinco anos. O mesmo coração que se apaixonou por uma paraense, quase o tirou de campo após os exames cardiológicos feitos no Grêmio Barueri/SP, em 2009. A vida que se renova com a filha que está para nascer, quase acabou recentemente num acidente automobilístico no interior de São Paulo. Tudo isso em meio ao sofrimento de todos os remistas pela fase de horror que o clube está atravessando, sufocado por dívidas na Justiça do Trabalho e fracassos nos campeonatos.      


Unidos pela dor e pelo amor, Remo e Diego Barros acabam de prolongar a união em mais um contrato, até junho de 2012. Um apostando na recuperação do outro. É casamento em plenitude.               

 


Roberto Fernandes se contradiz para confundir         


Contradição aparentemente planejada. Roberto Fernandes diz que o gramado de Marabá sugere “jogadores de choque” e que esse não é o caso de Robinho, nem de Thiago Potiguar, nem de Luciano Henrique. Diz ainda que Sandro, esse sim, é de choque. Nos dois coletivos da semana escalou Robinho e Thiago Potiguar. No segundo, acrescentou Sandro como 12º jogador. Claramente, o que o técnico bicolor está querendo é confundir seu colega aguiano João Galvão, iniciando desde já o duelo tático.        


Roberto Fernandes chegou a afirmar que entre Robinho, Thiago Potiguar e Luciano Henrique, dois serão escalados para o jogão de amanhã. Assim mesmo, minha dedução é que Sandro vai entrar no time como meia, compondo quarteto com Rodrigo Pontes, Charles Vagner e Robinho. É só uma dedução de tudo o que tenho observado.       


No Águia, João Galvão também faz seu mistério. Mas a dúvida que parece ser real é quanto ao aproveitamento do volante William Santos, que continua sob cuidados médicos, tratando de lesão muscular, enquanto Flamel é preparado como opção. Mendes é mantido no time, apesar de toda a improdutividade até agora e da ascensão de Marquinhos Marabá.                                                                                  

 


Brasil x Argentina com “Big Brother”       


O sistema de vigilância eletrônica do Mangueirão está sendo duplicado para o jogo Brasil x Argentina, passando de 21 para 42 câmeras, dentro e fora do estádio. Uma espécie de Big Brother! Em qualquer lugar, a qualquer momento, em qualquer situação, uma câmera estará mostrando alguém. As imagens, gravadas nos computadores, vão servir às Polícias Militar e Civil no combate a infratores em geral. No recente jogo Paysandu x Águia, por exemplo, as câmeras flagraram uma venda de cerveja nas arquibancadas, com a imediata prisão do vendedor.        


Além da compra das novas câmeras, outro investimento em tecnologia no Mangueirão é a compra de dois placares eletrônicos digitais, com serviços de vídeo e wireless. Os placares vão funcionar como telões, com imagens ao vivo que poderão ser captadas em computadores portáteis habilitados por senha, como é comum nos melhores estádios do mundo.                                          

 


Goleadores do Pará estão comendo poeira        


No início de abril, a corrida pelo Troféu Friedenreich, prêmio do maior artilheiro da temporada no país, era liderada pelos paraenses Rafael Oliveira (Paysandu) com 17 e Leandro “Cearense” (Cametá) com 16 gols. O concorrente mais próximo era Leandro Damião (Internacional/RS e Seleção Brasileira) com 14. Quatro meses e meio depois, Leandro Damião duplicou a artilharia e lidera a disputa pelo prêmio com 29 gols, enquanto Rafael Oliveira fez apenas mais cinco e Leandro, agora no Vila Nova/GO, fez mais seis gols. Dividem a terceira posição com Bill (Coritiba/PR). Foram superados por Marcelo Nicácio (Ceará) que já tem 24 gols.

 

 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!