18 de agosto, 2011 - Belém

Papão? Águia? Pantera? Galo? Saiba quem representa mesmo o Pará no Brasileirão


 

Time do Amapá é o mais paraense das Séries C e D      


Nem Paysandu, nem Águia, nem Independente, nem São Raimundo. O time com mais paraenses titulares nas Séries C e D do Campeonato Brasileiro é o Trem do Amapá. O técnico Fran Costa, também paraense, disse ontem ao colunista que nove conterrâneos estão escalados para o jogo de segunda-feira contra o Comercial, em Macapá: Américo, Tonhão, Rubran, Dudu, Romeu, André Mensalão, Leandrinho e Diego Ratinho. Além deles, o goleiro gaúcho Evandro e o atacante amapaense Max Jarí.      


O São Raimundo tem oito paraenses titulares: Labilá, Evair, Darlan, Rafael Oliveira, Daniel, Rodrigo, Velber e Sató. O time se completa com o matogrossense Júlio Ferrari, o maranhense Aldivan e o capixaba Samuel Lopes. No Independente, Guará, Marçal e Joãozinho. No Águia, somente cinco paraenses no time principal: Sinésio, Rairo, Analdo, Marquinhos e Peri. No Paysandu, só dois: Alexandre Favaro e Rafael Oliveira. Ou seja, o Trem do Amapá tem mais paraenses titulares que Paysandu e Águia juntos.          


Além dos nove escalados por Fran Costa, o Trem tem mais dois paraenses no elenco: o zagueiro Ronaldão e o atacante Déo Curuçá. Outros dois deixaram o clube recentemente: o zagueiro Filho e o lateral Mocajuba.                                                 

 


Sinomar “engatilha” Marciano para 2012        


Uma conversa recente entre o técnico Sinomar Naves e o atacante Marciano, autor de 14 gols com a camisa remista em 2010, tornou muito provável o retorno do atacante para 2012. Marciano tem quatro gols pelo Icasa/CE na atual Série B e ficará sem contrato com o clube cearense em novembro.        


Marciano manifesta abertamente a vontade de voltar a jogar no Leão Azul. Tem dito isso no twitter e nos contatos com os amigos que tem em Belém. O Remo tentou trazê-lo no segundo semestre de 2010 e no primeiro semestre deste ano, mas o Icasa não aceitou liberá-lo. Marciano trabalhou com Sinomar no Baenão. Por isso, o contato direto entre eles foi tão produtivo para  “engatilhar” a volta do atacante “interplanetário”.                  

 


Papão trata de reconquistar Sócios Torcedores       


Através de melhores serviços de atendimento, com mais tecnologia e maior atenção, a empresa Ingresso Fácil, do Grupo BWA, que assumiu a gestão do “Sócio Torcedor” do Paysandu, está tratando de reconquistar a credibilidade do Programa junto à torcida para buscar novas adesões. O Programa chegou a ter cerca de 900 adesões, mas restam menos de 200 pagando regularmente as mensalidades. Por enquanto, a renda não está pagando nem os custos, segundo o presidente Luis Omar Pinheiro.        


O Papão percebeu que andou para trás ao se precipitar no lançamento do “Sócio Torcedor” no final de 2009 com a empresa goiana Web Marketing. Foi um desastre! Público mal atendido, decepção geral, descrédito. Como agravante, o clube não se empenhou em cumprir os compromissos de vantagens aos torcedores. Até o final do ano o trabalho da Ingresso Fácil será  para zerar a dívida de compromissos do clube, mostrando na prática a eficiência da nova gestão do Programa. Se o Papão decolar na Série C e obtiver o acesso à Série B, a empresa intensificará imediatamente as ações de conquista de adesões para consolidar o Programa em 2012.                           

 


Papão vai se unir ao Leão pela “terra prometida”         


Depois de anunciar que o Paysandu desistiria da área oferecida pela prefeitura de Marituba à margem da alça viária, o presidente Luis Omar Pinheiro fez reavaliação e disse ao colunista que vai lutar pela “terra prometida”, como também garantiu o presidente do Remo, Sérgio Cabeça. Os dois clubes devem se unir na mobilização de padrinhos políticos para que o governador Simão Jatene avalize a doação prometida pelo prefeito Bertoldo Couto, de Marituba. São 120 mil metros quadrados para cada clube, lado a lado, a quatro quilômetros da BR 316, para aproveitamento com Centro de Treinamentos e Sede Campestre.


Tanto Paysandu como Remo focam também num “plano B”. O Papão tenta convencer o empresário Satoshi Sató a negociar seu  campo em Ananindeua. O Leão está na expectativa da aquisição do campo do Sacramenta, em comodato, por um grupo de empresários que está fechando parceria com o clube azulino nas categorias de base.  

 

 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!