10 de agosto, 2011 - Belém

Entre fracassos e escândalos, Paysandu e Remo tentam novas parcerias


 

Haverá gestão para viabilizar as parcerias?         


Descumprir compromissos tem sido especialidade de Remo e Paysandu na relação com os parceiros, inclusive com patrocinadores. Quem não lembra das queixas do governo estadual, que ameaçou suspender o patrocínio dos clubes e do campeonato paraense? O amadorismo dos clubes e o despreparo de algumas empresas se somaram em fracassos de parcerias recentes nos campos do marketing e da publicidade. Isso só vai terminar quando os clubes forem criteriosos na escolha dos parceiros e honrarem seus compromissos.         


O Remo festeja a investida a ser feita no marketing com a  Barone, empresa do ramo. Mas o clube ainda luta na Justiça para reaver a própria marca, que está em poder da empresa catarinense Gol Store. Se não conseguir, será impossível a parceria com a Barone. E por mais competente que seja essa empresa, o sucesso só virá se o clube fizer sua parte na gestão para a credibilidade do projeto. Nessa área não pode haver “faz de conta”, nem “meia sola”, como em qualquer outra investida conjunta ou exclusiva do clube. Ou seja, o Remo terá que se enquadrar no trinômio ética/modernidade/competência se quiser faturar com sua marca. Mesma análise aplicada ao Paysandu.                            

 


Parceira bicolor faz promessa à Fiel         


O Grupo BWA, através da gestora de marketing e relacionamento, Monaliza Rocha, enviou e-mail à coluna com promessas alentadoras à torcida do Papão. Através da empresa Unique Sports e Marketing, o Grupo BWA assumiu a gestão do programa Sócio Torcedor do Paysandu, que está com menos de 200 adeptos pagando. Um fracasso deixado pela Webmax, empresa que o implantou, e pelo próprio clube, que não respeitou direitos dos sócios torcedores no programa.        


Monaliza diz que o Grupo BWA enfrentou situação semelhante no Bahia, há seis anos, e teve êxito. Lembra que no Grupo são seis empresas que funcionam conjuntamente e que toda a estrutura vai ser empregada no Papão para resgatar o que foi perdido e alavancar o programa Sócio Torcedor. Que assim seja! E que o clube não atrapalhe com o seu amadorismo.                            
 
                               


Allax, longe das vaias         


Com apenas 20 anos, Allax já tem mais de 20 jogos e dois títulos estaduais como profissional. Está na terceira temporada como reserva. Sábado, contra o Luverdense, vai substituir Sidny, que está suspenso por cartões amarelos e que não vem repetindo as boas atuações que o fizeram melhor da posição no campeonato estadual.         


Allax vai jogar longe das vaias da torcida, que o rejeita sem piedade. A distância pode fazer bem. Mas nada será mais importante que o apoio moral dos colegas e principalmente do técnico Roberto Fernandes. Um jogador tão jovem não pode funcionar bem sob tamanha pressão.                        

 


Luverdense, a gauchada do Mato Grosso        


Dos 28 jogadores que integram o elenco do Luverdense, 14 são oriundos do futebol gaúcho. É que para comandar a reforma do elenco o clube matogrossense contratou o gaúcho Lisca, técnico que revelou Alexandre Pato e Nilmar nas categorias de base do Internacional e que levou do Rio Grande do Sul quase todos os reforços, entre eles o goleiro Thiago Volpi, o volante Dê e o atacante Lino. Mas o destaque do time é um menino de 20 anos emprestado pelo São Paulo. Rafael Tavares, autor de três gols, divide a artilharia da Série C com Wanderley do América de Natal e Ronaldo Capixaba do Joinville. O meia Rafael Tavares é um jogador que vai merecer atenção especial dos bicolores, sábado, no jogo de Rio Verde.         


No Mato Grosso o time do Luverdense é avaliado como um dos melhores que o clube já formou, com uma folha salarial de apenas R$ 130 mil. Criou-se um ambiente de euforia em Lucas do Rio Verde depois da goleada sobre o Araguaina (4 x 0) e da vitória no Acre sobre o Rio Branco (3 x 2). Ou seja, o Papão terá um adversário empolgado no sábado. Se bem que o time bicolor também vai em  estado de graça. 

 

 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!