23 de março, 2011 - Belém

Cléo é mais um castanhalense artilheiro em um estadual


 

Castanhalense é artilheiro na Paraíba
           

Leandro Cearense, maior artilheiro dos campeonatos estaduais com 15 gols pelo Cametá, não é o único filho de Castanhal que brilha como goleador. O também castanhalense Cléo (natural do km 21 da BR 316) lidera a artilharia do campeonato paraibano com sete gols, um a mais que Warley, ex-Seleção Brasileira, seu companheiro de ataque no Treze de Campina Grande.
           

Baixinho (1,59m.) e muito ágil, Cléo é sucesso no futebol paraibano desde 2008. Já fez mais de 30 gols pelo Treze, onde chegou credenciado pela ótima Série C que fez em 2007 pela Tuna, quando marcou 12 gols. Aos 28 anos, o atacante curte o sucesso que faz na Paraíba e apesar da pouca visibilidade sonha com transferência para um clube maior. No Pará, Cléo foi revelado pela Tuna e teve rápidas passagens pelo Paysandu, Castanhal, Ananindeua e Cametá. Passou também pelo Santa Cruz/PE. Seus gols são carimbados com cambalhotas das comemorações. Por isso, tanto é chamado de Cléo Paraense como de Cléo Cambalhota, pela imprensa paraibana.
 
 


 
A glória de mais um fruto desperdiçado
           

Depois de Paulo Henrique Ganso, já na Seleção Brasileira principal, chega a hora de Tiago Alves, mais um fruto desperdiçado no Pará, entregue de presente ao Santos, que ganha a glória de vestir a camisa amarela. A primeira convocação foi para a seleção nacional sub 18, que vai disputar o torneio do mediterrâneo, de 19 a 24 de abril, em Barcelona.
           

Ganso saiu de graça do Paysandu para o Santos aos 16 anos. Passados cinco anos, já é sonho de consumo da Inter de Milão, com multa rescisória de 50 milhões de dólares. O que o Papão pode ganhar é uma migalha como comissão de formador, relativa a um ano e meio na base bicolor, desde que cumpra rigorosa burocracia da Fifa. É o mesmo caso da Tuna, que também tem direito de formadora. No caso de Tiago Alves, o formador é o Remo, que perdeu o atleta de forma ainda mais absurda, em 2009. O clube azulino teve todas as chances de evitar o prejuízo, mas faltaram visão e atitude do presidente Amaro Klautau. Para não pagar salário de R$ 3 mil, o Remo protelou uma decisão que ao resolver tomá-la com oferta de R$ 5 mil já era tarde. Assim deixou de fazer o contrato com sua preciosa revelação e no mínimo de ser sócio do Santos nos direitos econômicos. Aos 18 anos, Tiago Alves já é cotado no mercado em mais de R$ 20 milhões e vai se valorizar muito mais em breve.
           

Paulo Róbson, que avalizou Tiago para o Santos depois de vê-lo atuando pelo Remo no Rio Grande do Sul, não economiza elogios ao atleta paraense, natural de São João do Araguaia. Manoel Maria, especialista em categorias de base, com gloriosa história no Santos, garante que Tiago Alves vai repetir o sucesso de Ganso e Neymar na Vila Belmiro.
         
 
 
                             

Denúncia ou fofoca? 
           

É muito vaga a “denúncia” atribuída ao presidente do Cametá, Fernando Camarinha, de que o árbitro Clauber Miranda teria tentado pelo telefone vender ajuda ao time cametaense no jogo do domingo passado, contra o Paysandu. Mesmo com desmentido já feito por Camarinha, o sindicato dos árbitros está levando o caso à Justiça para chegar às últimas conseqüências. Pelo bem do futebol, é bom mesmo que a questão seja totalmente esclarecida para se saber se é denúncia ou fofoca. Seja o que for, não pode ser aceita como normal, pela grave ofensa moral. Vamos admitir que Clauber tivesse mesmo dado o tal telefonema. A denúncia só caberia como defesa da honestidade se fosse feita antes do jogo. Feita depois, soou como mero casuísmo. E se alguém ligou em nome de Clauber, também é importante que uma investigação revele o impostor na ação criminosa e se usou mesmo o celular do árbitro.   
 
 
                                  

Imagens indesmentíveis
          

São indesmentíveis as imagens da televisão no lance que gerou a polêmica, embora alguns insistem em vê-las com o olho da conveniência. Na minha isenção afirmo que houve falta de Leandro Cearense em Elton Lira no lance que antecedeu o gol de Balão. E o árbitro marcou antes do gol. No geral, Clauber Miranda teve ótima atuação. É a minha avaliação! Ocorre que no futebol só os erros dos jogadores são considerados naturais. Os árbitros quando erram são tidos como desonestos. E não digo que não há casos de desonestidade. O escândalo de 2005 com Edílson Pereira de Carvalho, no Campeonato Brasileiro, foi uma prova. 
          

Neste turno do Parazão a arbitragem cometeu seus pecados sim, alguns gravaes, mas na média esteve num nível técnico acima dos nossos times. No futebol como em qualquer outra atividade profissional, os perdedores procuram culpados por suas derrotas. Em geral o árbitro é o “cristo”, com ou sem motivos.   

 

 

Para ler a coluna completa, assine O Liberal Digital!