15 de junho, 2015 - Belém

Bernardino Santos


Invasão Max Martins

Ainda que tenha o nome de invasão, não se trata - de forma alguma - de uma ação de grupos de sem-terra e de sem-teto em homenagem ao poeta Max Martins, mas de uma grande homenagem ao autor de “H´Era” que, em 2016, completaria, se estivesse entre nós, 90 anos.

A iniciativa de celebrar os 90 anos de Max é da Fundação Cultura do Estado, através da Casa da Linguagem, espaço que ele administrou por muitos anos. A “Invasão Max Martins” rumo aos 90 anos começa no próximo dia 26, data do aniversário do poeta, e se estenderá até 2016, com mostras, paineis, seminários, oficinas e publicações, tendo como tema a vida e a obra do homenageado.

Cuca Roseta

Considerada uma das maiores vozes do fado dos últimos tempos, a fadista Cuca Roseta se apresenta amanhã, às 20 horas, no Theatro da Paz. No show, promovido pela Secult, ela estará acompanhada da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, com regência do maestro Miguel Campos Neto para celebrar o dia de Portugal, Camões e das Comunidades Portuguesas, comemorado este mês.  

Matemática

A Universidade do Estado do Pará recebe, até hoje, inscrições para o Programa de Mestrado Profissional em Ensino de Matemática. As inscrições deferidas serão divulgadas no dia 24 de junho, a partir das 18 horas.

Ranking da pupunha

Amigo desta coluna conta - com a autoridade de quem sabe o que diz - que o melhor lugar para se comprar pupunha, em Belém, continua sendo o Ver-o-Peso. Logo depois vem a Feira da Batista Campos e, finalmente, a antiga Feira da 25 - hoje, “Romulo Maiorana”  - onde ninguém fica constrangido de cobrar até 25 reais pelo quilo da fruta. No Ver-o-Peso encontra-se pupunha de até de 3 reais.

Safras diferentes

Ainda no tema, uma vendedora da feira de Batista Campos, ao ser questionada sobre o aumento repentino do preço da pupunha, informou que a safra estava acabando. Quando soube que, no final de semana, o Ver-o-Peso estava abarrotado de cachos, disse que a safra que estava acabando era a que vinha da estrada. A procedente das ilhas está no auge.

Nise da Silveira

Uma das brasileiras mais brilhantes do século XX, a psiquiatra Nise da Silveira, vai ganhar uma fotobiografia. Nascida em 1905 e morta em 1999, ela terá sua trajetória humana e profissional recontada por Luiz Carlos Mello, no livro “Caminhos de uma psiquiatra rebelde”. O lançamento aconteceu em Brasília e a obra possui 386 páginas.

Cinema de Arte

“Filme Demência” é a atração de hoje, às 19 horas, na programação de filmes de arte, no Cine Alexandrino Moreira, na Casa das Artes (ao lado da Basílica). Trata-se de uma produção brasileira de 1985, dirigida por Carlos Reichnbach. Marco Antônio Moreira assina a programação, que acontece sempre às segundas-feiras.

Trabalho infantil

Paragominas tem se destacado nacionalmente entre as prefeituras que aderiram com sucesso ao Programa de Erradicação do Trabalho Infantil. O prefeito Paulo Tocantins mostrou os resultados do programa, em meio a atividades culturais, no Dia “D” de Combate ao Trabalho Infantil    

Editora da Uepa

Em Assembleia Geral Ordinária realizada na cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, o professor Paulo Murilo do Amaral, diretor da Editora da Uepa, foi eleito para ocupar, com duração de dois anos, o cargo de Conselheiro Fiscal da Associação Brasileira das Editoras Universitárias.

Entre nós

O Conselho da Mulher Empresária, da ACP, promove na próxima quinta, 18, mais uma edição do “Entre Nós Empresarial”, em formato “happy hour”. 

Redação

As inscrições para a quarta edição do Concurso de Redação da Mineração, promovido em parceria do Simineral com a Seduc, foram prorrogadas até 02 de outubro. Com o tema “Mineração com responsabilidade social: a vida é nossa maior riqueza”, o certame é voltado para os estudantes da rede pública de ensino do Estado. 

Briga 

Vejam o que dinheiro pode fazer para acabar com uma amizade: por uma resolução da OAB/Pa, os advogados podem cobrar 5% do valor da herança num processo de inventário. Um advogado foi procurado pelos filhos de um rico comerciante, falecido, e cobrou 4% de honorários. Um outro profissional ofereceu-se para cuidar da causa, cobrando dos herdeiros 1% a menos. A amizade dos dois causídicos, que vem dos tempos de colégio, acabou. 

Vitrine

Como amanhã é dia de folga da coluna, abraço, desde agora, o engenheiro João Pojucam de Moraes Filho, diretor de O LIBERAL e uma das melhores figuras do cenário local. Ele aniversaria nesta terça e passa a data cercado pelo carinho da esposa, Rosa Moraes. Parabéns, amigo.

Da Suíça, onde visitam a filha, Michelle, Edy-Lamar e Miguel d´Oliveira mandam notícias da felicidade. O casal retorna a Belém esta semana.

O escritor Sérgio Barra, que acaba de lançar o livro “Meu Imaginário dos Outros”, começou a distribuir a obra pelas livrarias e revistarias da cidade.

Dona Horácia Ozela completou cem anos e comemorou essa idade tão bonita ao lado dos familiares e amigos.

Numa data como a de amanhã, morria, no Rio de Janeiro, no ano de 1979, o romancista marajoara Dalcídio Jurandir, a quem esta terra ainda deve uma grande homenagem.  Dalcídio é o maior romancista da Amazônia de todos os tempos.

Hoje é dia de abraçar o amigo médico Luiz Augusto Santos, presidente da Apae e irmão do titular deste espaço, o jornalista Bernardino Santos. Felicidades, Luiz.

Brasileiros e portugueses se encontraram para celebrar, no Hotel sagres, o Dia de Portugal. 

Quem entende de futebol, me diz como sinal dos tempos: a seleção brasileira é a terceira favorita na Copa América.

Quem também celebra o aniversário em família, amanhã,  é Neyla Campos Tavares. 

Continua, no Espaço Cultural Ministro Orlando Teixeira da Costa, do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, a exposição “Interferências”, da fotógrafa Cristina Gemaque.

A notável Oledyr Sapuchay faz  temporada em Belém, matando saudade dos filhos e dos netos.

A empresária de moda Maristela Crispino viaja esta semana para mais um tour fashion por São Paulo. 

Bom dia para o amigo Fábio Salame da Silva, leitor desta  coluna, bem cedo, na hora do café da manhã.

Cantinho da poesia: “Alta noite, quando escreveis um poema qualquer /sem sentirdes o que escreveis, /olhai vossa mão - que vossa mão não vos pertence mais; /olhai como parece uma asa que viesse de longe. “ Jorge de Lima

Desejo a todos uma semana iluminada e cheia de paz. 

Por hoje, senhoras e senhores, o que há. Amanhã é dia de folga, mas, na quarta, se Deus quiser, estarei aqui. Interinamente, é claro.

Mensagens para esta coluna pelo email jcparis@orm.com.br

João Carlos Pereira.